Porto Alegre, terça-feira, 30 de junho de 2020.
Dia do Economista.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 30 de junho de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

30/06/2020 - 08h18min. Alterada em 30/06 às 08h18min

Bolsas asiáticas fecham em alta após novos sinais de recuperação da China

Nikkei teve alta de 1,33% em Tóquio, a 22.288,14 pontos

Nikkei teve alta de 1,33% em Tóquio, a 22.288,14 pontos


Kazuhiro NOGI/AFP/JC
As bolsas asiáticas fecharam em alta nesta terça-feira (30), após dados de atividade positivos da China ajudarem a distrair os investidores das tensões entre chineses e americanos em torno de Hong Kong. Na China continental, o Xangai Composto subiu 0,78%, a 2.984,67 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 1,88%, a 1975,52 pontos.
As bolsas asiáticas fecharam em alta nesta terça-feira (30), após dados de atividade positivos da China ajudarem a distrair os investidores das tensões entre chineses e americanos em torno de Hong Kong. Na China continental, o Xangai Composto subiu 0,78%, a 2.984,67 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 1,88%, a 1975,52 pontos.
Números oficiais de Pequim sugerem que a economia chinesa, a segunda maior do mundo, está se recuperando em ritmo mais rápido do que se esperava do choque do coronavírus. O índice de gerentes de compras (PMI, pela sigla em inglês) do setor industrial chinês subiu de 50,6 em maio para 50,9 em junho, contrariando expectativas de queda, tocando o maior patamar em três meses e mostrando expansão um pouco mais forte da manufatura. Já o PMI de serviços da China foi de 53,6 para 54,4 no mesmo período, atingindo o maior nível em sete meses.
Os PMIs favoráveis ajudaram a reduzir o impacto de outra notícia da China. O Parlamento chinês aprovou hoje uma polêmica nova lei de segurança nacional para Hong Kong, num gesto que tende a agravar as já tensas relações com os EUA. Em meio aos atritos entre Washington e Pequim, o secretário de Comércio dos EUA, Wilbur Ross, anunciou ontem que o status especial de Hong Kong foi revogado.
Em outras partes da Ásia, o índice acionário japonês Nikkei teve alta de 1,33% em Tóquio, a 22.288,14 pontos, impulsionado por ações do segmento de eletrônicos, enquanto o sul-coreano Kospi subiu 0,71% em Seul, ajudado por papéis de fabricantes de cosméticos, o Hang Seng avançou 0,52% em Hong Kong, a 24.427,19 pontos, e o Taiex se valorizou 0,68% em Taiwan, a 11.621,24 pontos.
Na Oceania, a bolsa australiana ficou no azul após o vice-presidente do RBA - como é conhecido o banco central do país -, Guy Debelle, dizer que a economia doméstica vai precisar de considerável suporte por um longo período ainda em meio à pandemia de coronavírus. O S&P/ASX 200 terminou o pregão em Sydney com alta de 1,43%, a 5.897,90 pontos.
Comentários